sexta-feira, fevereiro 5

Opinião e Noticia

Trago hoje outra dia bacana de sorteio de livros e também uma oportunidade de expressar sua opinião sobre um assunto muito em alta nessa época do ano, que é a violência nos trotes.

Prática que tem sua origem na Europa  da  Idade Média, caracterizada por um conjunto de atividades que podem ser leves (brincadeiras) ou graves ( humilhações e punições).
 Inacreditável como uma tradição medieval se perpetuou até os dias atuais com toda a carga de ignorância e selvageria que tomamos noticia através dos meios de comunicação.
Trotes violentos com resultados catastróficos via de regra são noticiados quando as aulas têm inicio.
A respeito do aspecto psicológico do trote, fiquei pasma com a definição de que se trata de um rito de passagem ( tudo bem até aqui) e que é um rito de passagem às avessas (!!!!) simbolizando tudo o que a universidade não é, principalmente seu caratér humanista.

É uma péssima tradição que precisa ser banida, assim como tantas já o foram em nossa vida moderna.
Uma maior carga de responsabilidade deve ser atribuida a Universidade para que não permita que tais atos sejam praticados pelos veteranos.
E a pergunta que não quer calar : qual a razão de tanta violência ? Será uma tradição tão enraizada na cultura universitária que não será possível sua eliminação?
A substituição pelos chamados Trotes não violentos parece não ser a resposta, segundo o site Anti Trote .org., pois uma série de fatores contribuem para que o trote permaneça vivo na sua forma violenta, envolvendo relações de poder. ritos de passagens e explicações psicológicas.
O Anti Trote.org possue uma série de bons artigos que abordam esse assunto,  que para falar a verdade, eu não tinha idéia de era tão complexa essa questão, envolvendo, por exemplo,  conflitos psicológicos tendo como base a relação sadomasoquista.
É triste saber que tais fatos acontecem desde 1831, data do primeiro trote do Brasil.

Expresse sua opinião sobre o assunto, se vc ganhar, poderá escolher um entre três livros super bacanas :

 
Confira no link abaixo :


A violência nos trotes

Aqui a minha opinião postada na página da matéria -

Somente o banimento do trote deverá por fim a essa prática medieval, visto que as tentativas de trote solidário não obtiveram resultado desejado, a cada ano ficamos sabendo de mais trotes violentos em uma escalada de violência.
A punição deveria ser a expulsão da universidade/faculdade e responsabilidade criminal.
Acredito que trotes violentos ainda sejam praticados por inúmeros motivos,entre eles certamente o fato de não haver punição para esses crimes, veja o caso do jovem Edison Tsung-Chi Hsueh que morreu afogado em 1999, completará agora dia 22/02 11 anos, repito, 11 anos que ninguém foi responsabilizado pelo que aconteceu !
O trágico é que o pai de Edison, faleceu em 2008 vitimado por uma grande depressão que fragilizou sua saúde, quando o caso foi arquivado em 2006.
Isso para citar apenas um exemplo dentre tantos outros.
Existem também questões psicológicas envolvendo o calouro, o veterano e a relação deste último com a universidade que precisam ser trabalhadas em conjunto.



E falando sobre os livros que vão ser sorteados, o único deles que já li foi o Apanhador no campo de centeio do escritor J.D.Salinger lançado em 1951,veja a sinopse:

O jovem protagonista Holden Caulfield narra o ocorrido no último Natal, não sem antes praguejar contra a "lenga-lenga tipo David Copperfield", o colégio e o cinema. É a obra máxima do escritor americano J. D. Salinger, escrita em 1945 e publicada em 1951, detonadora de um estilo cortante, direto, coloquial, novo.

 

Crítica ao modo de vida do jovem americano:

 

O escritor americano J. D. Salinger (1918), surgido da brevidade do conto, transpõe neste romance o estilo cortante de quem escreve narrativas curtas. Tudo é direto, livre de empolação e grandiloqüência na história de Holden Caufield, de 16 anos, que, expulso da escola, vaga pelo mundo adulto e vai parar no psicanalista. Depois de recuperado de uma crise de nervos, o protagonista de "O Apanhador no Campo de Centeio" narra suas experiências e pragueja contra os adolescentes bonzinhos e o cinema. O título dado à obra no Brasil é resultado de tradução literal, exigida pelo autor. Mas precisa ser explicado. "The Catcher in the Rye", no original, foi inspirado em um verso do poeta escocês Robert Burns. A locução "in the rye", traduzível por "no campo de centeio", é uma expressão idiomática que significa "perigo" ou "dificuldade". O apanhador, ou pegador, é o jogador de beisebol incumbido da defesa. O título, assim, sugeriria que Caulfield se ocupa de defender, do perigo, aqueles para quem escreve, os jovens. -- por Rosane Pavam 

 

 Fonte -

 Adorei saber mais sobre o título do livro nessa pesquisa que fiz, eu vi outra interpretação causada por um sonho do personagem, que ele estaria a beira de um penhasco "apanhando" crianças que estavam perigosamente próximas ao perigo.

Estou precisando fazer uma releitura agora com um olhar mais crítico, influenciado por um programa especial que assisti na Globo News sobre o escritor falecido aos 91 anos no dia 28/10/2010;

A Globo News está disponibilizando o documentário, vc pode assistir on line, gostei de ver nesse documentário a entrevista com o tradudor brasileiro , não perca o programa, confira AQUI .


O que distingue o homem insensato do sensato é que o primeiro anseia morrer orgulhosamente por uma causa, enquanto o segundo aspira viver humildemente por ela.
J.D.Salinger

1 comentários:

Dominique disse...

Ainda bem na minha faculdade não ocorre trote com os calouros. Se há, é algo bem leve, para depois levarmos-os para uma recepção bem calorosa. hehehehe! Algumas faculdades realmente chegam a violentar os alunos, isso é uma falta de respeito.

Celly, dá uma pulinho no meu blog, que tem um presentinho para vc!

Bjjs! ;)

 

Ex-Libris Celia Costa Published @ 2014 by Ipietoon